quinta-feira, 28 de maio de 2020

RN registra 255 mortes por coronavírus; 13 óbitos nas últimas 24 horas, confirmados do período entre os dias 16 a 27

Foto: Reprodução/Youtube
Em decorrência de um problema no banco de dados, a Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou no fim da manhã desta quinta-feira(28), somente o número de mortes por coronavírus no Rio Grande do Norte. Na ocasião, falou o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia.
Conforme atualização, o Rio Grande do Norte registra 255 óbitos, sendo 13 nas últimas 24 horas, confirmados no período que vai do dia 16 ao dia 27. Os demais dados, como casos confirmados, suspeitos e descartados serão divulgados ao fim do dia.
 

Covid-19: ocupação dos leitos no Oeste e na região metropolitana de Natal atinge 100%



 
A Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou no fim da manhã desta quinta-feira(28), a situação dos leitos no Rio Grande do Norte no tratamento ao coronavírus.
Segundo o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia, a taxa de ocupação nas unidades hospitalares destinadas a tratar o novo coronavírus no estado está distribuída da seguinte maneira, nesta momento:
Região Oeste: 100% (no caso de adultos)
Pau dos Ferros: 62,5%
Grande Natal: 100%
Seridó: 49%

Ainda na coletiva, o secretário de saúde destacou 517 leitos estão ocupados no Estado, sendo para 267 situações críticas e 250 para acompanhamento clínico.

Secretário de saúde do RN pede maior isolamento social e diz que retomada das atividades deve ser pensada por região – “não de forma generalizada”

Foto: Reprodução/Youtube
O secretário de Estado e Saúde Pública-Sesap, Cipriano Maia, convocou no fim da manhã desta quinta-feira(28), um chamamento a população para uma adesão mais elevada no isolamento social, com objetivo da diminuição da transmissão do novo coronavírus, e busca por uma perspectiva para retomada de atividades em benefício a situação econômica.
Cipriano disse que o ideal para o isolamento social no Estado deveria ser 70%, número que poderia encaminhar para diminuição de caso, óbitos e taxa de ocupação dos serviços de assistência hospitalar.
Ainda na coletiva, o secretário de saúde reforçou um “pacto em defesa da vida” e destacou que a retomada da economia no Estado depende de um maior isolamento social – pensada por cada região. “Não de forma generalada. De forma planejada”, disse.
Assista abaixo e veja declaração:
 

EUA CHEGAM A 100 MIL MORTES CAUSADAS PELA COVID-19

Foto: Brendan McDermid/Reuters

Os Estados Unidos alcançaram a marca sombria de 100 mil pessoas mortas pelo novo coronavírus nesta quarta-feira, de acordo com o jornal The  New York Times. O número foi atingido em um período de cerca de três meses, o que representa uma média de mais de 1.100 mortes por dia.
Ele representa ainda mais que o dobro do previsto em meados de abril por Donald Trump, que disse na época que a doença deixaria cerca de 50 mil mortos no seu país. No início de maio, no entanto, o presidente americano, que de início minimizou a gravidade da Covid-19, admitiu que o saldo de mortes poderia chegar a 100 mil — ou seja, 30% das mais de 353 mil vítimas fatais provocadas pelo novo coronavírus no mundo inteiro.
Os EUA, maior economia e maior potência militar global, são o país com o maior número de casos confirmados da Covid-19, com quase 1,7 milhão de registros da doença. Em termos de mortes por milhão de habitantes, o país está em nono lugar.
O número de 100 mil se aproxima do total de mortos em quatro grandes conflitos travados pelos americanos desde o fim da Segunda Guerra Mundial: a Guerra do Vietnã, a Guerra da Coreia, a Guerra do Iraque e a Guerra do Afeganistão. Nos quatro, foram 101.667 mortes.

O New York Times marcou o dado sombrio dedicando toda a primeira página de seu domingo a uma longa lista de 10 mil nomes de vítimas fatais da pandemia nos EUA. A pedido da Casa Branca, as bandeiras em prédios federais e monumentos nacionais foram colocadas a meio mastro no domingo.
As mortes nos Estados Unidos têm diminuído na média da última semana, mais de dois meses depois de muitos dos 50 estados decretarem medidas de isolamento social. A evolução da pandemia nos Estados Unidos foi marcada por conflitos entre o presidente e governadores, a maior parte deles democratas, que impuseram quarentenas para tentar frear a expansão da doença.
O Globo

PREFEITO DE ASSU É CONDENADO POR PROPAGANDA ELEITORAL ANTECIPADA AO DISTRIBUIR MÁSCARAS DE PROTEÇÃO COM CORES DE SEU PARTIDO

Reprodução

O prefeito de Assu, Gustavo Soares, foi condenado por propaganda eleitoral antecipada, por distribuir máscaras de proteção ao Covid-19 nas cores do seu partido o PL
A juíza Suzana Corrêa deferiu parcialmente o pedido do Ministério Público e determinou a suspensão das entregas das máscaras nas cores vermelha, azul e branca.
O MP apontou que “durante o mês de maio de 2020, o prefeito cometeu atos que caracterizam propaganda eleitoral extemporânea, nesse caso, antecipada, ao realizar a distribuição gratuita de máscaras de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus, em verdadeira promoção pessoal, tendo em vista que as mesmas foram distribuídas exatamente na cor do partido de que é filiado, e notadamente porque a cor vermelha está associada à figura política do Representado, sendo a cor de sua campanha eleitoral”.
Confira decisão
 

SESAP/RN IRÁ RECOMENDAR FIM DO USO DA CLOROQUINA EM PACIENTES COM COVID-19

A Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap/RN), vai recomendar que a hidroxicloroquina e a cloroquina não sejam utilizados para o tratamento da Covid-19 em pacientes graves internados nos hospitais do Estado. O novo protocolo deve ser assinado nesta semana e deverá conter outras instruções referentes aos cuidados com os pacientes diagnosticados com a doença provocada pelo novo coronavírus. Apesar da recomendação, o critério de prescrever ou não o medicamento para o paciente continuará respeitando a autonomia dos médicos, que também deverão seguir o livre arbítrio dos pacientes em aceitarem ou não a medicação.
De acordo com o médico infectologista Igor Thiago Queiroz, presidente da Sociedade Norte-rio-grandense de Infectologia e um dos cinco profissionais de saúde da Sesap/RN responsáveis pelo protocolo, disse que a recomendação leva em consideração as evidências científicas sobre a medicação divulgadas recentemente.
“O que a gente vê das últimas evidências, de estudos publicados em revistas internacionais, é que a hidroxicloroquina foi utilizada numa fase muito tardia do adoecimento, não tínhamos aquela orientação sobre divisão de fases. O que a gente vê, nesses estudos, é que quem fez uso da cloroquina, nessa fase tardia, não teve benefício. Pelo contrário, aumentou o risco de efeitos colaterais e a mortalidade. Não vamos recomendar usar hidroxicloroquina no hospital, no paciente que já interna grave”, disse o médico, que participou da coletiva de imprensa promovida pelo Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAIS/UFRN) com o tema “Uso de antivirais: quais as evidências científicas?” nesta quarta-feira, 27.
No caso dos pacientes em estado leve, fora do hospital, a recomendação da comissão dos médicos, segundo Igor Thiago Queiroz, é de que “possa ser feito a critério do médico. Já temos respaldo do ponto de vista do Ministério da Saúde e do Conselho Regional de Medicina do RN (Cremern), mas que seja feita de forma acompanhada, que priorizem os estudos clínicos e procurem os professores universitários que estão fazendo suas pesquisas e que possam incluir mais pacientes para terem respostas científicas”, argumentou.

TRIBUNA DO NORTE

BOLSONARO VETA AUMENTO PARA SERVIDORES ATÉ O FIM DE 2021 E SANCIONA SOCORRO A ESTADOS E MUNICÍPIOS

O presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos a lei de socorro aos estados e municípios. O prazo final era até esta quarta-feira (27). A decisão foi publicada no Diário Oficial desta quinta (28).
Após dar aval a deputados e senadores para manter reajuste mais amplo para servidores, o presidente atendeu a apelo do ministro Paulo Guedes (Economia) e congelou os salários até o fim de 2021.
A suspensão do aumento de vencimentos do funcionalismo de municípios, estados e União era contrapartida exigida por Guedes para ajudar os entes da Federação a enfrentar os efeitos do coronavírus.
O Congresso agora pode manter ou derrubar os vetos de Bolsonaro. Porém, na tramitação do texto, deputados e senadores haviam poupado do congelamento de salários uma gama ampla de servidores.

Entre as categorias beneficiadas estavam civis e militares, como professores, médicos, enfermeiros, profissionais de limpeza urbana, agentes funerários, policiais e as Forças Armadas.
A decisão, segundo projeção da equipe de Guedes, reduziria para R$ 43 bilhões a economia com o congelamento. Inicialmente, eram previstos R$ 130 bilhões.
De acordo com Bolsonaro, na mensagem do veto, o dispositivo aprovado "viola o interesse público por acarretar em alteração da economia potencial estimada".
"A título de exemplo, a manutenção do referido dispositivo retiraria quase dois terços do impacto esperado para a restrição de crescimento da despesa com pessoal", escreveu.
De acordo com ele, o veto foi imposto por orientação de Guedes e do ministro Fernando Azevedo e Silva (Defesa).
Antes de sancionar a lei, o governo acelerou, porém, medidas para beneficiar policiais — base bolsonarista —, a fim de livrá-los das travas ao aumento salarial.
Na terça-feira (26), Bolsonaro publicou uma MP (medida provisória) autorizando reajuste para policiais civis, militares e bombeiros do Distrito Federal. O custo para a União é estimado em R$ 500 milhões.
Ele ainda conseguiu aprovar outra MP que reestruturou a carreira da Polícia Federal. Passada essa articulação para atender a base bolsonarista, municípios e estados terão acesso ao dinheiro.
Prefeitos e governadores tinham pressa em razão da queda de arrecadação provocada pela retração econômica. O distanciamento social tem afetado as atividades.
A versão final do texto foi aprovada pelo Senado em 6 de maio. O pacote de ajuda chega a R$ 125 bilhões durante a crise da Covid-19. O socorro vale por quatro meses.
Municípios e estados receberão R$ 60 bilhões em repasses diretos ao longo do programa. Os recursos impactarão o Orçamento da União.
O pacote prevê que R$ 10 bilhões serão destinados diretamente para o enfrentamento ao coronavírus —R$ 7 bilhões a estados e Distrito Federal e R$ 3 bilhões a municípios.
O restante do valor a ser transferido (R$ 50 bilhões) será repartido de duas formas. Serão R$ 30 bilhões distribuídos diretamente a estados e DF e os outros R$ 20 bilhões a municípios.
O rateio será feito segundo a regra de proporção, levando em consideração critérios mistos, como perdas de ICMS (imposto estadual) e de ISS (municipal) e o número de habitantes.
Além disso, o plano prevê suspensão de dívidas com a União e bancos públicos. Esse montante chega a quase R$ 50 bilhões.
Um outro veto de Bolsonaro contraria os estados e atende a pedido de Guedes. O projeto aprovado previa que a União não suspenderia repasses do FPE (Fundo de Participação dos Estados) caso pagasse dívidas com bancos internacionais.
A equipe econômica defendeu a manutenção da regra, mesmo na pandemia: se um estado deixar de pagar um banco multilateral, como o Banco Mundial, o Tesouro cobre as parcelas, mas, como contrapartida, retém uma parte dos repasses via FPE.
Na quinta-feira (21), quando Bolsonaro se reuniu com chefes dos Executivos estaduais, o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), pediu que o trecho não fosse vetado. Para os governadores, isso inviabilizaria a suspensão do pagamento das dívidas com organismos multilaterais, que traria um alívio de R$ 10,7 bilhões.
Ao vetar, o presidente escreveu que "o dispositivo, ao impedir a União de executar as garantias e contragarantias das dívidas a que se refere, viola o interesse público ao abrir a possibilidade de a República Federativa do Brasil ser considerada inadimplente perante o mercado doméstico e internacional".
De acordo com ele, isso acarreta "consequências que podem culminar no risco de refinanciamento do país e potencial judicialização nos tribunais estrangeiros, deixando o Brasil numa situação em que tecnicamente seria considerado um país em default".
Além disso, ao suspender dívidas dos municípios com a Previdência Social, era permitido que as parcelas não pagas fossem quitadas após o prazo do refinanciamento.
Ao deixar de pagar essas parcelas, os municípios terão um alívio de R$ 5,6 bilhões. No entanto, o presidente também vetou o dispositivo que permitia a extensão do prazo de pagamento. Segundo Bolsonaro, a medida é inconstitucional, "tendo em vista que a moratória concedida aos entes federativos poderia superar o limite" de 60 meses.
O quarto e último veto do Bolsonaro foi feito a pedido da Secretaria-Geral da Presidência e AGU (Advocacia-Geral da União). O dispositivo aprovado pelo Congresso previa a suspensão de todos os concursos públicos federais, estaduais, distritais e municipais já homologados até o fim do estado de calamidade pública — 31 de dezembro de 2020.
Segundo Bolsonaro, a medida viola o pacto federativo, "bem como a autonomia de estados, Distrito Federal e municípios".
O pacote de socorro aos estados e municípios aprovado no Senado se tornou um meio-termo entre a versão da Câmara, de abril, e a proposta inicial da equipe econômica.
O time de Guedes chegou a apresentar, em meados de abril, um pacote de socorro de R$ 77,4 bilhões, com R$ 40 bilhões de transferência direta. O plano de auxílio da Câmara, segundo o Tesouro, poderia custar mais de R$ 200 bilhões.
Guedes e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), travaram um embate sobre o tamanho do pacote. No fim, Maia disse que o texto final do Senado era "ótimo".
Para Maia, o socorro aos estados foi uma "grande vitória do Parlamento". "O que nós queríamos e aconteceu era garantir recursos emergenciais para estados e municípios".
 

Em decorrência de um problema no banco de dados, a Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou no fim da manhã desta quinta-feira(28), somente o número de mortes por coronavírus no Rio Grande do Norte. Na ocasião, falou o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia. Conforme atualização, o Rio Grande do Norte registra 255 óbitos, sendo 13 nas últimas 24 horas, confirmados no período que vai do dia 16 ao dia 27. Os demais dados, como casos confirmados, suspeitos e descartados serão divulgados ao fim do dia.

Foto: Evandro Leal/Agência Free Lancer/Estadão Conteúdo

O desemprego aumentou no Brasil e atingiu 12,8 milhões no trimestre encerrado em abril deste ano, de acordo com a PNAD Contínua, divulgada nesta quinta-feira (28) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Portanto, o dado já inclui o impacto da pandemia do novo coronavírus no mercado de trabalho.
De acordo com a pesquisa, houve um aumento de 898 mil pessoas à procura de emprego em relação ao trimestre imediatamente anterior, quando 11,9 milhões de brasileiros estavam sem trabalho.
Outro dado que chamou a atenção, conforme os dados do IBGE, foi a quantidade de brasileiros com carteira assinada, que recuou ao menor nível da série histórica. Agora, 32,2 milhões de pessoas possuem emprego formal no Brasil.

O mercado de trabalho já sente os impactos da pandemia de coronavírus, que levou ao isolamento social como tentantiva de conter a disseminação do vírus. Segundo o IBGE, a população ocupada teve queda recorde de 5,2%, em relação ao trimestre encerrado em janeiro, representando uma perda de 4,9 milhões de postos de trabalho, que foram reduzidos a 89,2 milhões.
A maior parte dos 4,9 milhões que saíram da população ocupada veio do comércio. Do total, 1,2 milhão vieram do comércio, 885 mil saíram da construção e 727 mil, dos serviços domésticos.
De acordo com Adriana Beringuy, analista da pesquisa, os dados podem estar relacionados às medidas de isolamento social. “Várias famílias podem ter dispensados os seus trabalhadores domésticos em função dessa questão do isolamento. É uma queda bastante acentuada”, explica.
Por outro lado, o rendimento médio real recebido pelas pessoas ocupadas foi estimado em R$ 2.425 no trimestre encerrado em abril, sendo o maior da série histórica.
“Esse aumento pode estar associado ao fato de que os trabalhadores informais, que ganham menos, foram o grupo que mais saiu da ocupação. Os que ficaram foram trabalhadores que relativamente têm salários maiores. Agora temos uma situação de menos trabalhadores informais e o rendimento médio acaba sendo calculado em cima de quem permaneceu no mercado de trabalho”, diz Adriana.
R7
 

RN REGISTRA 255 MORTES POR CORONAVÍRUS, 13 ÓBITOS CONFIRMADOS NAS ÚLTIMAS 24H

Em decorrência de um problema no banco de dados, a Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou no fim da manhã desta quinta-feira(28), somente o número de mortes por coronavírus no Rio Grande do Norte. Na ocasião, falou o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia.
Conforme atualização, o Rio Grande do Norte registra 255 óbitos, sendo 13 nas últimas 24 horas, confirmados no período que vai do dia 16 ao dia 27. Os demais dados, como casos confirmados, suspeitos e descartados serão divulgados ao fim do dia.
 

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Fumante com coronavírus tem 14 vezes mais chances de morrer

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil
As pessoas fumantes, infectadas com o novo coronavírus (covid-19), têm 14 vezes mais chances de morrer do que as não fumantes. O alerta é da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), que esta semana lançou em seu site uma campanha voltada à conscientização sobre os perigos de fumar.
“O fato de os fumantes estarem mais propensos às infecções virais e a probabilidade de morte 14 vezes maior quando a covid-19 infecta fumantes, de acordo com estudos realizados, faz deste um bom momento para se pensar em tratamentos antitabagismo”, ressalta o presidente da entidade, João Fernando Monteiro Ferreira.
Segundo a associação de cardiologistas, o tabagismo enfraquece o sistema imunológico e torna mais lenta a reação do corpo às infecções. A capacidade pulmonar reduzida, comum em fumantes, também aumenta o risco de desenvolver as formas mais graves das infecções. “Trata-se da principal causa evitável de morte e encurta a vida de homens em dez anos e de mulheres em 12 anos”, disse o presidente da entidade.
De acordo com a entidade, o Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking mundial de tabagistas, são 7,1 milhões de mulheres e 11,1 milhões de homens fumantes. No entanto, o número de brasileiros que mantém o hábito de fumar caiu 38% nos últimos anos. Em 2019, 9,8% afirmavam ter o hábito de fumar, enquanto em 2006 o índice era de 15,6%.
Agência Brasil
 

Coronavírus: total de óbitos no Brasil chega a 25.598 e infectados são 411.821; Nas últimas 24h, 20.599 casos confirmados e 1.086 mortes registradas

Foto: Ricardo Moraes/Reuters
O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (27) seu mais recente balanço de casos confirmados e mortes provocadas pela Covid-19. Os principais dados são:
25.598 mortes, eram 24.512 na terça-feira. Foram 1086 registros de morte incluídos em 24 horas;
411.821 casos confirmados, eram 391.222 na terça-feira. Foram incluídos 20.599 casos em 24 horas;
219. 576 pacientes estão em acompanhamento (53% do total);
166.647 recuperados (40%);
Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, há 4,1 mil mortes em investigação. O estado com mais casos e mortes continua sendo São Paulo, que tem 89.483 mil casos e 6.712 mortes.
G1

terça-feira, 26 de maio de 2020

INSS começa a pagar a 2ª parcela do 13º de aposentados e pensionistas


 
INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) começou, nesta segunda-feira (25), a pagar a segunda parcela do 13º de aposentados e pensionistas. O depósito da segunda parte do abono será realizado até o dia 5 junho (confira a tabela abaixo).
Essa é uma das medidas anunciadas pelo governo federal que tem como objetivo diminuir os efeitos econômicos causados pela pandemia de covid-19, provocada pelo novo coronavírus, que tem afetado o bolso do brasileiro, além da saúde pública. 
A estratégia foi antecipar a verba que normalmente chega aos pensionistas apenas no segundo semestre. Em 2019, os pagamentos ocorreram em setembro e novembro. Neste ano, a primeira parcela foi paga entre o final de abril e o começo de maio.
Para aqueles que recebem até um salário mínimo, o depósito da antecipação será feito entre os dias 25 de junho e 5 de maio. Vale lembrar que o valor será depositado de acordo com o número final do benefício, sem levar em conta o dígito verificador. Segurados com renda mensal acima do piso nacional terão seus pagamentos creditados nos cinco primeiros dias de junho. 

Em todo o país, 35,8 milhões de pessoas receberão seus benefícios de maio. O INSS injetará na economia um total de R$ 71,5 bilhões. Desse total, 30,8 milhões de beneficiários receberão a segunda parcela do 13º, o equivalente a R$ 23,8 bilhões.

Quem tem direito ao 13º?

Por lei, tem direito ao 13º quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário de aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente ou auxílio-reclusão. Na hipótese de cessação programada do benefício, prevista antes de 31 de dezembro de 2020, será pago o valor proporcional do abono anual ao beneficiário. Nesta parcela, vale lembrar, é feito o desconto do Imposto de Renda.
Aqueles que recebem benefícios assistenciais (Benefício de Prestação Continuada da Lei Orgânica da Assistência Social – BPC/LOAS e Renda Mensal Vitalícia – RMV) não têm direito ao abono anual.

Entre os beneficiados estão:

  • aposentados
  • beneficiários do auxílio-doença
  • beneficiários do auxílio-acidente
  • beneficiários do auxílio-reclusão
  • beneficiários da pensão por morte
  • beneficiários de salário-maternidade

Veja o calendário da segunda parcela:

Para quem ganha até um salário mínimo:
Final 1: 25/05
Final 2: 26/05
Final 3: 27/05
Final 4: 28/05
Final 5: 29/05
Final 6: 01/06
Final 7: 02/06
Final 8: 03/06
Final 9: 04/06
Final 0: 05/06
Para quem ganha mais de um salário mínimo:
Final 1 e 6: 01/06
Final 2 e 7: 02/06
Final 3 e 8: 03/06
Final 4 e 9: 04/06
Final 5 e 0: 05/06 

A criança Rhavi tem 5 anos e foi diagnosticado com Covid-19, e está precisando muito das nossas orações e da nossa Fé!!!

A imagem pode conter: 1 pessoa, closeup

FORÇA GUERREIRINHO!!!


Venho aqui pedir a todos vocês que orem pela vida do meu filho Rhavi, Rhavi tem 5 anos e foi diagnosticado com Covid-19, e está precisando muito das nossas orações e da nossa Fé!!! #TodospeloRhavi. Quando uma mãe clama, Todas nós clamamos juntas! 🙏🏾😭💔💙

Elisabete

Fonte: Notícias do RN