domingo, 11 de abril de 2021

Em menos de 24 horas, pai, mãe e filho morrem de Covid no interior de SP

Nilza Witemburg Pontes dos Santos e Luiz Alberto Santos, ambos vítimas da covid-19Imagem: Reprodução

Em um intervalo de 24 horas, três membros da mesma família morreram por complicações da covid-19. O pai, a mãe e um dos filhos morreram entre ontem e hoje em Santa Cruz do Rio Pardo (SP). .
Hoje de manhã foi confirmada a morte de Luiz Alberto Santos, 70 anos, depois de ficar internado por quase um mês. Ele teve complicações com a doença e acabou não resistindo à covid-19. Ele não soube das mortes de um dos filhos e da esposa ontem.

O primeiro a morrer havia sido Sérgio Luís Witemburg, 39 anos, que deixa esposa e um filho. Horas depois foi a vez de Nilza Witemburg Pontes dos Santos, de 70 anos. Todos os membros da família estavam internados desde março na Santa Casa da cidade. Mas o quadro do pai, Luiz Alberto Santos, havia se agravado e ele conseguiu uma vaga para o hospital de Ourinhos (SP), no dia 8 deste mês, local onde morreu hoje de manhã. 
O irmão de Sérgio fez um desabafo nas redes sociais pela perda dos familiares. "Em um dia, eu perdi minha família e toda a referência de retidão, de honestidade, de humanidade, de justiça, de integridade, que forjaram meu caráter. Estou desolado, destruído", escreveu o jornalista Luís Fernando Witemburg.
"Cuidem-se. Fiquem em casa. Usem máscara sobre o nariz e a boca. Higienizem as mãos. Exijam a aceleração da vacinação. Não ouçam o que o 'excrementíssimo' presidente da República fala. Se aquele imbecil fosse um homem sério, ou minimamente apto a exercer a função para a qual foi eleito, haveria uma política pública eficiente de vacinação e de combate a esse vírus. E meus pais e meu irmão estariam vivos", concluiu.
Santa Cruz do Rio Pardo, cidade do interior de SP com quase 48 mil habitantes, está neste momento com 2.301 casos de coronavírus e 43 mortes.

Brasil registra hoje a 2ª pior média de mortes da pandemia, 3.109 por dia .

 

Do UOL, em São Paulo 

O Brasil registrou hoje a segunda pior média diária de mortes por covid-19. Foram 3.109 mortos por dia, em média, nos últimos sete dias. A pior marca ocorreu em 1º de abril --3.119 mortes diárias, na média semanal. Os dados são do consórcio de imprensa de que o UOL faz parte, que apura os números com as secretarias estaduais de Saúde. A média semanal ajuda a corrigir distorções pontuais, como as quedas que costumam ser registradas aos fins de semana. Considerando só os dados que foram incluídos neste domingo, o país teve mais 1.824 mortes por covid-19. Até agora, 353.293 pessoas já morreram de covid-19 no Brasil. A marca de 350 mil foi atingida ontem (11), apenas 17 dias depois de o país chegar a 300 mil vítimas da pandemia. Já são 81 dias seguidos que o Brasil tem mais de mil vítimas da doença por dia. Hoje, nenhum outro país passa de mil mortes diárias. Isso faz do Brasil o país com o pior quadro da pandemia no mundo.
O número de pessoas que tiveram teste positivo para covid-19 atingiu 13,5 milhões, ainda segundo o consórcio de imprensa.

DOMINGO DA DIVINA MISERICÓRDIA


Temos vivido dias difíceis porém não podemos perder a esperança, e enquanto temos tempo recorremos a Divina Misericórdia no qual temos livre acesso, voltemos a Jesus com o coração contrito ansiosos em ser amado e cuidado por Ele ♥️

Ó Jesus misericordioso, ouvi nossos pedidos e dai-nos um coração misericordioso como o Vosso.

Evangelho do dia: (João 20,19-31)






Domingo 11 de abril de 2021.
Evangelho do dia: (João 20,19-31)
Aleluia, aleluia, aleluia.
Acreditaste, Tomé, porque me viste. Felizes os que creram sem ter visto! (Jo 20,29).
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.
20 19 Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana, os discípulos tinham fechado as portas do lugar onde se achavam, por medo dos judeus. Jesus veio e pôs-se no meio deles. Disse-lhes ele: "A paz esteja convosco"!
20 Dito isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos alegraram-se ao ver o Senhor.
21 Disse-lhes outra vez: "A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós".
22 Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: "Recebei o Espírito Santo.
23 Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos".
24 Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.
25 Os outros discípulos disseram-lhe: "Vimos o Senhor". Mas ele replicou-lhes: "Se não vir nas suas mãos o sinal dos pregos, e não puser o meu dedo no lugar dos pregos, e não introduzir a minha mão no seu lado, não acreditarei"!
26 Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: "A paz esteja convosco"!
27 Depois disse a Tomé: "Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé".
28 Respondeu-lhe Tomé: "Meu Senhor e meu Deus!"
29 Disse-lhe Jesus: "Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto!"
30 Fez Jesus, na presença dos seus discípulos, ainda muitos outros milagres que não estão escritos neste livro.
31 Mas estes foram escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.
Palavra da Salvação.

sábado, 10 de abril de 2021

Fiocruz aponta que pandemia de Covid-19 deve permanecer crítica em abril e recomenda restrições

 

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) emitiu alerta que a pandemia de Covid-19 no Brasil deve permanecer em níveis críticos ao longo de todo o mês de abril. Os pesquisadores defendem a adoção de um lockdown para conter a transmissão e ressaltam que 23 estados, incluindo o Ceará e o Distrito Federal, estão em situação grave

Em boletim extraordinário publicado nesta terça-feira (6), a Fiocruz ressalta que houve aceleração da transmissão da Covid-19 na última semana e permanência de valores altos de positividade dos testes. A letalidade da doença, que era de 2% no final de 2020, chegou a 4,2%. 

De 28 de março a 3 de abril, o País registrou diversos recordes da doença, superando a marca de 3 mil mortes diárias. Os dados da semana passada apontam diminuição de 2% do número de casos por dia e aumento de 1,5% do número de mortes ao dia. Isso pode representar tendência de estabilidade, mas não de contenção da pandemia, conforme os especialistas. 

Ceará e outros dezoito estados têm taxas de ocupação hospitalar superior a 90%Fortaleza e outras vinte capitais estão na mesma situação crítica. 

mapa
Legenda: Ocupação dos leitos de UTI do Sus no Brasil
Foto: Reprodução/Fiocruz

Apenas Roraima está fora da zona de alerta, com taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensitva (UTI) em 49%. Estão no nível de alerta médio o Amazonas (taxa de 75%) e a Paraíba (77%). Todos os outros estados e o Distrito Federal estão em alerta crítico de ocupação dos leitos de UTI. Em 15 de março, apenas Roraima estava fora da zona crítica. 

Entre os dias 29 de março e 5 de abril de 2021, as taxas de ocupação de leitos de UTI apresentaram reduções em Roraima (de 62% para 49%), Amapá (de 100% para 91%), Maranhão (de 88% para 80%), Paraíba (de 84% para 77%) e Rio Grande do Sul (de 95% para 90%). Em contrapartida, houve piora em Sergipe, com a taxa subindo de 86% para 95%.

gráficos
Legenda: Evolução das taxas de ocupação dos leitos de UTI no Brasil
Foto: Reprodução/Fiocruz

MEDIDAS DE RESTRIÇÃO

O boletim ressalta que a crise do sistema de saúde atinge 23 estados e o Distrito Federal, constituindo situação bastante grave.

"É essencial neste momento a adoção, ou continuidade da adoção, de medidas urgentes, que envolvem a contenção das taxas de transmissão e crescimento de casos por meio de medidas de bloqueio ou lockdown, acompanhadas de respostas na ampliação da oferta de leitos com qualidade e segurança, bem como prevenção do desabastecimento de medicamentos e insumos", afirma o boletim. 

Conforme a Fiocruz, os efeitos das diferentes medidas de restrição adotadas pelos estados e municípios devem ser sentidos de 3 a 4 semanas após adoção consistente. Essas medidas produziram êxitos localizados, mas precisam ser seguidas por mais tempo para garantir diminuição do número de óbitos e de internações, de acordo com a fundação. 

Os especialistas recomendam medidas de restrição das atividades não essenciais para todos os estados e regiões de saúde com taxa de ocupação acima de 85%. A recomendação é que as medidas sejam adotadas por pelo menos 14 dias, a depender da amplitude e do rigor da aplicação. 

  • A proibição de eventos presenciais como shows, congressos, atividades religiosas, esportivas e correlatas em todo território nacional;
     
  • A suspensão das atividades presenciais de todos os níveis da educação do país;
     
  • O toque de recolher nacional a partir das 20h até as 6h da manhã e durante os finais de semana;
     
  • O fechamento das praias e bares;
     
  • A adoção de trabalho remoto sempre que possível, tanto no setor público quanto no privado;
     
  • A instituição de barreiras sanitárias nacionais e internacionais, considerados o fechamento dos aeroportos e do transporte interestadual;
     
  • A adoção de medidas para redução da superlotação nos transportes coletivos urbanos;
     
  • A ampliação da testagem e acompanhamento dos testados, com isolamento dos casos suspeitos e monitoramento dos contatos.

"É fundamental neste momento de crise, que exige medidas combinadas e complexas, que haja uma coerência e convergência dos diferentes poderes do Estado brasileiro (Executivo, Legislativo e Judiciário), bem como dos diferentes níveis de governo (municipais, estaduais e federal) em favor das medidas de bloqueio", ressalta a Fiocruz. 

Diário do Nordeste

Reinfecção de Covid-19 pode ser acompanhada de sintomas mais fortes, diz estudo


Um artigo que será publicado em maio na revista Emerging Infectious Desease (EID), dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC/EUA), mostra que uma primeira exposição à Covid-19 em casos brandos ou assintomáticos pode não produzir resposta imunológica e que a pessoa pode se reinfectar, inclusive, com a mesma variante. A segunda infecção pode provocar sintomas mais fortes do que a primeira, indica o estudo. 

O artigo Evidência genética e resposta imunológica do hospedeiro em pessoas reinfectadas com Sars-CoV-2 foi coordenado pelo pesquisador Thiago Moreno, do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS/Fiocruz). A pesquisa envolve ainda pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Instituto D’Or de Ensino e Pesquisa (Idor) e da empresa chinesa MGI Tech Co.

Os dados mostram que para a parcela da população que tem a doença na forma branda (em que não é necessária a hospitalização) isso não significa que fique imune ou que uma reinfecção evolua de forma benigna. O estudo indica ainda que a reinfecção pode ser mais frequente do que se supõe.

O caso de ser infectado pela mesma variante acontece porque o paciente não teria criado uma memória imunológica. No caso de uma outra cepa, ela “escaparia” da vigilância, não seria reconhecida pela memória gerada anteriormente por ser um pouco diferente.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores acompanharam semanalmente um grupo de 30 pessoas de março de 2020, no início da pandemia, até o fim do ano. Destas, quatro contraíram o Sars-CoV-2, sendo que algumas foram infectadas pela mesma variante. Os pesquisadores, então, sequenciaram o genoma do vírus no caso da primeira infecção e depois na segunda para poder compará-los. 

“O método de sequenciamento genético desenvolvido pela MGI permitiu detectar o vírus mesmo em amostras com baixa carga viral. Hoje, Bio-Manguinhos [Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fiocruz] tem algumas dessas máquinas”, conta Moreno.

Nos quatro casos, a primeira infecção se deu com sintomas brandos. Na segunda, os sintomas foram mais frequentes e mais fortes, mas não necessitaram de hospitalização.
“Essas pessoas só tiveram de fato a imunidade detectável depois da segunda infecção. Isso leva a crer que para uma parte da população que teve a doença de forma branda não basta uma exposição ao vírus, e sim mais de uma, para ter um grau de imunidade”, conta Moreno. “Isso permite que uma parcela da população que já foi exposta sustente uma nova epidemia”.

E uma terceira infecção poderia ocorrer? Thiago Moreno não acha impossível. “A gente não sabe quanto tempo dura a imunidade pós-Covid. Uma pessoa poderia ficar vulnerável a uma nova reinfecção ou mesmo a contrair uma variante diferente”, explica.

O novo estudo pode dar margem a mais pesquisas, como por exemplo investigar se uma pessoa pode ter uma predisposição a contrair o Sars-CoV-2. “Mas, para isso, seria necessário um grande estudo, com uma grande parte da população, a fim de investigar uma base genética para essa predisposição entre as pessoas que não geraram uma resposta ao vírus”, conclui.

Por: Cristina Azevedo (Agência Fiocruz de Notícias)



Padre Gilvan perdeu pai e irmão em 31 de março, a mãe em 4 de abril e a irmã no dia 5:



'O que está me sustentando é a fé', diz padre que perdeu pais e irmãos na mesma semana por Covid-19

Pároco na Igreja São Pedro e São Paulo, no bairro Quintino Cunha, em Fortaleza, o padre Gilvan Manuel da Silva, 40, perdeu quatro familiares em uma mesma semana devido às complicações da Covid-19. No último dia de março, o pai, Manoel Anísio, de 83 anos, e o irmão, Vicente Manoel, aos 52, foram os primeiros a falecer. Quatro dias depois, em 4 de abril, foi a vez de receber a notícia do óbito da mãe, Antonia Rosa (83). 

No dia seguinte, a irmã, Rosa Maria da Silva (60), também não resistiu. Os pais e a irmã faleceram no Piauí e o irmão em São Paulo. Todos estavam internados. “O que está me sustentando é a fé”, revela o padre, ao mencionar as perdas.

Segundo o padre, o primeiro infectado foi o irmão, que mora em São Paulo. “Ele que ficou mais grave, foi intubado e faleceu. Outros dois irmãos também tiveram, mas de forma leve. Depois, já no Piauí, minha irmã pegou e, sucessivamente, o meu pai e a minha mãe. Os quadros clínicos deles foram iguais: muita falta de ar e necessidade de hospitalização. Nenhum tinha comorbidades”, pontua. 

O pároco relembra que os familiares não chegaram a tomar a vacina devido ao processo lento em Piripiri, interior do Piauí, onde viviam. “Quando foi disponibilizado para a idade deles na cidade, eles já estavam internados”.


A morte abala as estruturas de qualquer pessoa, seja médico, padre. Já é humanamente sem resposta. Não há nada que preencha a falta daquela pessoa que se foi. Eu fico muito dividido entre o padre, o filho e o irmão, já que foram muitas perdas em um período curto e significativo que é a Semana Santa"
GILVAN MANUEL DA SILVA
Padre

"Como sacerdote, hoje eu me sinto renovado pela igreja, pelas mensagens dos amigos, pelo consolo, e eu tenho percebido como isso é bom de receber, já que humanamente é muito difícil aceitar essa separação repentina”, declara o Padre Gilvan.

Irmã morava próximo aos pais, no Piauí, e mantinha contato quando foram infectados
Legenda: Irmã morava próximo aos pais, no Piauí, e mantinha contato quando foram infectados
Foto: Arquivo pessoal

O sacerdote é natural de Piripiri, no Piauí, atua na Igreja São Pedro e São Paulo e faz parte de uma congregação missionária dos Padres Vicentinos. “Venho de uma família muito católica, tanto que decidi ser padre aos cinco anos e hoje estou aqui. Todos sempre me apoiaram. Em 2002, passei cinco anos em Fortaleza, um ano em Petrópolis, quatro anos em Belém e depois voltei para Piripiri para a ordenação”, conta.

ACOMPANHAMENTO

Ainda quando soube do agravamento dos familiares, o sacerdote partiu de Fortaleza para a cidade natal no intuito de acompanhar de perto a evolução dos casos. “Acompanhei os três [pais e irmã] no Piauí, mas não pude ver o meu irmão em São Paulo. Fui ao hospital, cheguei a dar a extrema unção aos meus pais, acompanhei os boletins, liberei os corpos no necrotério e tudo isso fiz pensando no que eu ensinava para o povo de Deus como padre”, diz.

Irmão Vicente Manuel foi o primeiro a apresentar a forma grave da doença na família, em São Paulo
Legenda: Irmão Vicente Manuel foi o primeiro a apresentar a forma grave da doença na família, em São Paulo
Foto: Arquivo pessoal

O sacerdote lembra que, no início da pandemia, celebrava missas na intenção das vítimas, ajudava os mais necessitados, mas nunca imaginou passar por esta situação após um ano. 

“Ao mesmo tempo que eu queria me tornar frágil com as notícias de agravamento do estado de saúde dos quatro, eu me fortalecia naquilo que eu acredito como padre: Jesus está no meio de nós, mesmo nesses tempos caóticos. Eu rezava e transmitia, da sala de casa, o terço e pedia, pela fé, que todo sofrimento fosse passageiro. E eu acredito nisso”.

“JÁ ÉRAMOS UNIDOS PELO AMOR, AGORA ESTAMOS PELA DOR”

Gilvan vem de uma família de 12 irmãos “muito ligados”, como definiu. Na pandemia, os laços se estreitaram e a comunicação virtual prevaleceu. “A gente evitava qualquer proximidade, mesmo quando era preciso ver alguém. Depois de toda a perda, nós ficamos ainda mais unidos. Antes, já éramos unidos pelo amor, agora estamos pela dor”, coloca.

“Nós estamos conversando bem mais uns com os outros, ligamos diariamente, nos consolamos, estamos vivendo o processo das missas de sétimo dia, rezamos e choramos todos os dias juntos. A família se uniu mais profundamente e lembramos, em oração, sempre das outras famílias, aquelas que perderam os seus e não têm mais parentes ou um irmão que console. Estamos tentando tirar o belo daquilo que foi uma tragédia”.

Fonte: Diário do Nordeste





FOI UMA CENA FORTE UNGIR MINHA MÃE E MEU PAI.

Enquanto paramentava-me no hospital, com as vestes de proteção, mesmo sabendo que era um risco está ali com muitos infectados da covid- 19,eu lembrava da Carta de São Tiago "Algum de vós está enfermo? Chame os presbíteros da Igreja, para que orem sobre sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor" (Tiago 5,14...) logo caiu a " ficha", que eu mesmo seria o presbítero do meu pai e da minha mãe. Foi um momento extremo de emoção e fé, não consegui pronunciar a fórmula,porque a voz veio nas lágrimas.Tocar naquelas mãos e pés que tantas vezes correram ao meu encontro para beijar e abraçar e eu tantas vezes toquei naquelas mãos para dizer: bênção mãe? e bênção pai? foi como resumir a vocação sacerdotal: o sacerdócio é restritamente oferenda. Não ungi para salvá- los corporalmente, mas para preservar e preparar a alma para o grande encontro com o noivo que é Jesus. Minha mãe ao descobrir que aquele "Enfermeiro" que passava o óleo da unção dos enfermos no seu corpo era seu filho padre, logo disse: meu filho, o que você faz dentro do hospital? aqui é muito perigoso, saia. É preciso ter muita fé para saborear esses momentos finais... Eu creio, Senhor.

Via Instagran por Padre Gilvan Manuel 

Muito forte o testemunho do Padre. Força padre, imagino o quanto está sendo difícil, que Jesus e Maria conforte o seu coração, quantas perdas em uma só família. 😔🙏😪 Sigam o

Polícia não tem dúvida de que o vereador Dr. Jairinho é o autor da morte do menino Henry


O delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP (Barra da Tijuca), declarou nesta quinta-feira (8) que o vereador Dr. Jairinho matou o enteado, Henry Borel, de 4 anos, no dia 8 de março deste ano, no Condomínio Majestic, no Cidade Jardim, na Barra da Tijuca. A professora Monique Medeiros, mãe do menino, teria sido conivente com o crime.


“Não resta a menor dúvida, em relação aos elementos que nós temos, sobre a autoria do crime, dos dois”, afirmou o delegado durante coletiva realizada nesta quinta-feira (8) sobre a morte do garoto.

O casal está preso provisoriamente e deve ser indiciado por homicídio duplamente qualificado. Segundo Damasceno, os dois atrapalharam as investigações e coagiram testemunhas. “Há provas muito fortes, muito convincentes, a respeito de toda essa dinâmica e da participação de cada um deles”, explicou.

O delegado também descartou a possibilidade de Monique ter sido ameaçada pelo companheiro. “Com bastante sinceridade, não é isso que percebi [que ela tenha sido ameaçada]. Ela teve inúmeros momentos em que ela poderia ter falado conosco, o depoimento foi bastante longo e ela se mostrou bastante à vontade em vários pontos dele”, declarou o delegado.

Com informações do portal Youyes.

FÁTIMA SE PRONUNCIA SOBRE PAGAMENTO DOS SALÁRIOS ATRASADOS ; CONFIR

A governadora Fátima Bezerra (PT) confirmou o pagamento de mais uma parcela dos salários atrasados, deixados pela gestão anterior. A declaração foi dada em entrevista a Rádio Rural de Mossoró nesta sexta-feira (10).

"Em maio, vamos dar continuidade ao pagamento do 13º de 2018", disse. Em fevereiro deste ano, o governo pagou o 13º de 2018 integral para quem recebe até R$ 3.500. Na etapa de maio, deve ser contemplada nova faixa salarial, que será definida pela equipe econômica do governo. "Vai depender da disponibilidade orçamentária, até quanto nós vamos pagar o restante do 13º de 2018 para os servidores", afirmou a gestora.

Fátima Bezerra anunciou também que no final deste mês, deve haver uma reunião com o Fórum dos Servidores e com os sindicatos da Segurança para discutir sobre essa definição.

Fonte: Saulo Vale


Prefeitura contrata quatro profissionais médicos especialistas para melhor atender à população Aguanovense



Pensando sempre no bem estar e numa maior comodidade para a população aguanovense, a Prefeitura Municipal de Água Nova, através da Secretaria Municipal de Saúde, contrata quatro médicos com especialidades diferentes para melhor atender a população aguanovense no próprio município.


Na área de ortopedia Dr. Emanuel Fernandes,

Cardiologista: Dr. Antônio Figueira,

Pediatra: Dr. Francisco Figueiredo

Ginecologista: Dr. Hênio Suassuna.

E a partir do dia 26/04 terá clínico geral, no programa mais médico na UBS da Cidade e no PSF do Carnaubal.

CAMPANHA PELO AMIGO AGUINALDINHO


 

Como muitos sabem, nosso amigo AGUINALDINHO (Aguinaldo Fernandes Dantas Filho) está internado na UTI desde o dia 10/03/2021 devido a complicações da COVID-19.

O quadro agravou-se durante a internação, e ele precisou de um procedimento específico chamado ECMO, o único tratamento viável para recuperar sua função pulmonar neste momento.
🙌🏼
O procedimento com o ECMO foi implantado com sucesso
🙏🏼
, e Aguinaldinho foi transferido para o Hospital Português, em Recife, para dar continuidade ao tratamento. Como a manutenção e acompanhamento desse aparelho não são cobertos por planos de Saúde, nós, amigos e familiares de Aguinaldinho, estamos nos mobilizando para podermos viabilizar os honorários médicos destes cuidados que são de altíssimo custo semanal.
Por isso, estamos lançando essa campanha com o objetivo de arrecadar doações através da transferência bancária, que pode ser feita utilizando os dados abaixo. Os valores doados serão totalmente direcionados ao tratamento de Aguinaldinho.
Dados para doação:
Aguinaldo Fernandes Dantas Filho
Banco do Brasil
Ag. 1668-3
Conta corrente: 16489-5
PIX: 84999279649
Contamos com o apoio e as orações de todos vocês! Qualquer ajuda será muito bem-vinda!
Gente...podem divulgar em grupos de familiares, amigos...nas redes sociais Agradecemos a todos!

VIA FAMILIARES DO JIVEM AGUINALDINHO FERNENDES

Evangelho deste sábado - Evangelho (Mc 16,9-15)


Evangelho (Mc 16,9-15)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.
9Depois de ressuscitar, na madrugada do primeiro dia após o sábado, Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual havia expulsado sete demônios. 10Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus, que estavam de luto e chorando.11Quando ouviram que ele estava vivo e fora visto por ela, não quiseram acreditar. 12Em seguida, Jesus apareceu a dois deles, com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo. 13Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros. Também a estes não deram crédito. 14Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos enquanto estavam comendo, repreendeu-os por causa da falta de fé e pela dureza de coração, porque não tinham acreditado naqueles que o tinham visto ressuscitado. 15E disse-lhes: "Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!"
— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

 

Santa do Dia! Santa Madalena de Canossa

Oração: Deus de amor e de bondade, que criastes o ser humano para a felicidade, ajudai-nos, pela intercessão de Santa Madalena de Canossa, a descobrir que a nossa alegria só é completa quando repartimos nosso tempo e nossos bens com aqueles os mais pobres. Por Cristo Nosso Senhor. Amém! 

sexta-feira, 9 de abril de 2021

Eu Creio e Confio Amém! Boa Noite!




Bolsonaro autoriza, e governo faz campanha por distanciamento e máscara .

 

 Após autorização dada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o Palácio do Planalto promove campanha a favor do uso da máscara de proteção facial e pelo distanciamento social. Trata-se de uma nova fase dentro da campanha divulgada pelo Ministério da Saúde. As mensagens foram publicadas em perfis oficiais do Planalto no Twitter e no Facebook. 
"Mesmo com a vacinação contra a covid-19 avançando cada vez mais, é muito importante continuarmos cuidando uns dos outros. Por isso, lave sempre as mãos com água e sabão ou utilize álcool em gel, evite aglomerações, mantenha o distanciamento e use máscara", diz uma das mensagens nas redes sociais. 

Em seguida, o perfil do Planalto diz: "Contra a covid-19, o cuidado é de cada um. A responsabilidade é de todos. Brasil unido", escreve, acrescentando a hashtag 'Pátria Vacinada'. 

Vacinada'. A nova campanha já vinha sendo preparada antes mesmo da chegada do novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, à pasta, mas ela não avançava justamente pela resistência do presidente da República. Queiroga, porém, insistiu, inclusive publicamente, afirmando que "daria o exemplo" e defenderia o uso de máscara e de medidas de distanciamento. Segundo fontes do governos últimos dias Bolsonaro percebeu que precisava ajustar o seu discurso e autorizou a nova campanha. Há receio entre fontes ligadas ao Ministério da Saúde de que o presidente (como é de costume) volte atrás em algum posicionamento e isso acabe gerando insatisfação com Queiroga, que é o quarto titular da Saúde no governo Bolsonaro. Até agora, a Saúde já gastou cerca de R$ 50 milhões em publicidade. Os números da nova campanha ainda não foram divulgados. Além das redes sociais, estão programadas inserções publicitárias em rádio e televisão com o mesmo foco. Além da campanha, o Ministério da Saúde vai lançar nos próximos dias um novo portal com informações atualizadas sobre a covid, com destaque também para as medidas preventivas.

Notícias Uol